Olivia me disse

Capítulo 3 | A cura do umbigo

CapítuloOlivia me disse2 Comments
 Foto retirada do perfil @mariahbower no instagram.

Foto retirada do perfil @mariahbower no instagram.

Eu nunca tinha visto álcool líquido para vender no supermercado. E estava faltando esse item na minha lista de compras para as necessidades básicas do bebê. 

Mas álcool para quê? Para limpar o umbigo, oras! A higiene do umbigo é importantíssima, exige conhecimentos além do água e sabão e há parentes que se encarregam de fazer a cura do umbigo por todos os bebês que nascem na família. Eu estava tranquila porque teria quem me ajudasse nessa árdua tarefa. Mas em nenhuma das minhas diárias pesquisas na internet encontrava sobre como os alemães limpavam o umbigo de seus bebês. Eu faria como eu quisesse, mas eu gostaria de saber como era feito aqui nesse país. Nada. Muitas vezes nem tocavam nesse assunto em alguns sites especializados em maternidade.

Bom, mais um assunto em que eu teria que esperar a hora para ver como acontecia.

Olivia nasceu às 18hs. Às 19hs eu já estava no quarto com ela. Me serviram um lanche, e às 10hs a enfermeira de plantão veio me ajudar a ir ao banheiro. No outro dia de manhã, ela foi levada para alguns exames e logo após uma outra enfermeira chegou. 

Você já sabe trocar fraldas?

Sei.

Mas eu vou te explicar mesmo assim.

E realmente me ensinou a trocar fraldas com uma técnica exemplar. Com um braço se seguram as duas perninhas do bebê enquanto a outra mão fica livre para tirar a fralda e limpar. O trocador estava todo preparado para que eu não precisasse mover um passo para pegar alguma coisa. O umbigo estava envolto por uma gaze dobrada ao meio. Eu deveria trocar duas vezes por dia sem molhar nem passar nada. Nada. Perfeito! Então eu perguntei:

E quando é que vem alguém dar banho?

Não damos banho aqui na maternidade. Faça isso você mesma na sua casa.

Sem espaço para mais perguntas nem explicações, ela saiu, mas se colocou a minha disposição enquanto estivesse no turno dela. Bem direta. Ok.

Aqui na Alemanha, geralmente, não se dá banho no recém nascido. Assim que ele nasce? Não, tá doida? Ao nascer o bebê só tem um destino: o colo da mãe e pronto. A hebamme, a doula daqui, o limpa delicadamente, coloca a roupinha do hospital, enrola numa toalha e pronto. Fica sangue na orelha? Um pouquinho. O cabelinho fica pregado? Fica. Fica com cheiro ruim? Não! Aquela melequinha branquinha e gordurosa dos recém nascidos, o verniz caseoso, tem funções essenciais para os pequenos. Ela mantém a pele hidratada e protege naturalmente contra infecções. A OMS apoia e incentiva que o banho deve ser dado pelo menos 6 horas após o nascimento. Baseado nisso, tem hebamme que recomenda dar banho mesmo, de banheira, só depois do primeiro mês. 

E o que o umbigo tem a ver com isso? 

Não perdi o fio da meada. Se o coto umbilical, aquele restinho do cordão umbilical que fica no bebê, não molhar, vai sarar como um machucado, vai secar mais rápido e vai cair mais rápido. Não passe nada, não limpe com álcool. Limpe o umbiguinho com uma gaze e o envolva com uma nova depois. E troque duas vezes por dia. Como me aconselharam aqui. Foi o que eu fiz. Ele caiu em 4 dias, sozinho, quando eu fui tirar a fralda para trocar.  

E foi só depois que ele caiu que Olivia tomou seu primeiro banho.