Olivia me disse

Viagens

10 dicas para fazer uma road trip com crianças

Viagens, Dicas & IdeiasOlivia me disseComment

A gente viaja muito e quase sempre de carro. Por 2 motivos: o Max morre de medo de avião e viajar de carro pela Europa é fácil e sensacional. As estradas são maravilhosas em todos os sentidos. Ano passado, em dezembro, fizemos a nossa maior road trip com nossos 2 filhos e foi daí que surgiu esse post: dicas para sobreviver a uma road trip com crianças. 

 Conseguem enxergar duas crianças no meio de tanta coisa? 

Conseguem enxergar duas crianças no meio de tanta coisa? 

Vou começar com a dica que eu acho mais importante, mas depois é aleatório:

1- Escolha a melhor hora para viajar. Explico. Nós geralmente saíamos bem cedinho, para aproveitar o dia e se o destino não fosse muito longe, ainda aproveitar o resto do dia. Mas descobrimos que isso não funciona para gente. Acordar os meninos muito cedo e colocá-los no carro acaba despertando, a Olivia não se sente bem e passa mal. Então ou saímos mais tarde, depois do café da manhã e eles tiram uma soneca ou saímos à noite, mais ou menos às 18 horas, depois de um jantar leve e eles já dormem. É sempre bom experimentar horários variados para encontrar a melhor hora de viajar, sempre considerando que se for a hora de dormir, melhor para todo mundo!

2- Use roupas confortáveis. Vale para crianças e pais. Se vocês vão passar muitas horas no carro, o que puder fazer para ficar mais confortável, faça! Às vezes os meninos vão de pijama mesmo, principalmente se for à noite. Se não, conjunto de moletom, nada que aperte a cintura ou o pescoço e calçado que sai fácil. Se ainda é preciso trocar fraldas, vista uma roupa fácil de tirar e colocar. Eu também me visto de maneira prática porque sempre tenho que fazer malabarismos dentro do carro ou sair e entrar muitas vezes.

3- Pare na estrada. De todas as paradas de estrada que já fomos, as da Alemanha são as melhores, eu diria imperdíveis! Tem sempre um playground, boa comida (leia-se brezel e schnitzel) e banheiro limpo. Pare sempre que quiserem, não se apressem em chegar ao destino final. Assim todo mundo pode tomar um ar, esticar as pernas e continuar a viagem.

4- Ajeite bem as malas. Eu sempre arrumo as malas de maneira que, se eu precisar pegar qualquer coisa, (uma troca de roupa, meia, chinelo) que esteja por cima. Assim não é preciso mover outras malas para achar o que precisa.

5- Prepare playlists. Planeje playlists com as músicas preferidas das crianças. Soundtracks dos filmes preferidos, de desenhos, ou até audio books. A Olivia e o Lio amam o Super Simple Songs e eu já faço o download no Apple Music, assim não consome toda minha internet. Por alguma razão a Olivia adora Calvin Harris (será que ouvi muito na gravidez? hehe) e como já sei, também deixo downloaded no meu telefone e vamos cantando todos juntos! 

6- Leve os brinquedos favoritos. Alguns dias antes de viajar, esconda alguns brinquedos favoritos. Durante a viagem, vá apresentando um por um, porque não sei aí, mas aqui os brinquedos duram só uns 15 minutos de entretenimento! Se eu levo 4 brinquedos, tenho 1 hora garantida!

7- Adesivos. Aqui em casa funcionam como hipnose: eles se concentram tanto em tirar da cartela, quanto para encontrar um lugar para pregar. Depois dá trabalho tirar um por um, semanas depois eu ainda encontro adesivo espalhado por aí, mas eles se divertem e temos mais alguns minutos de sossego.

8- Prepare lanches. Eu tento sempre levar coisas que não fazem bagunça dentro do carro, como maçã já cortada, banana, biscoito que não esfarela demais e sachês de frutas. Eles comem sanduíches tipo mixto quente, (pão de forma, cream chesse, queijo e presunto) então também já deixo pronto. Fazer picnic dentro do carro ou na estrada é uma das melhores partes da viagem!

9- iPad: Sabe aquela hora que estão todos descabelados e ninguém aguenta mais nada? Filme no iPad entra em cena. Comprei uns filmes que eu já sei que eles gostam, ajeito o tablet entre as poltronas da frente e essa é a sessão de cinema. 

10- Treine sua paciência: Essa dica é especial para nós, pais, e eu a coloco em prática não só em viagens, mas toda vez que saímos de casa: treino minha paciência. A gente adora viajar, em todas as suas etapas. Antes, na hora de planejar, durante, explorando tudo, e depois, na volta para casa. Pode parecer, mas nem tudo são flores, é claro, e haja paciência! 

O parque das cerejeiras em Amsterdam

ViagensOlivia me disseComment

A primeira vez que li sobre o parque das cerejeiras aqui em Amsterdam foi num jornal na academia. Nem sabia que existia! Quando cheguei em casa, fui correndo pesquisar sobre ele no blog da Ana, minha principal fonte de informação quando o assunto é Amsterdam! Logo vi que não podia perder a florada desse ano.

 As florzinhas de pertinho, tão delicadas!

As florzinhas de pertinho, tão delicadas!

De acordo com o site iamsterdam.com, The Japanese Sakura (o festival das cerejeiras) marca o início da primavera e segundo a tradição, famílias e amigos comemoram fazendo um picnic sob as árvores em flor. O município de Amstelveen, onde realmente fica o kersenloesempark, organiza um festival para sua comunidade japonesa em agradecimento pelo presente de 400 árvores cerejeiras oferecido pelo governo japonês no ano de 2000. 

 A entrada para o Kersenbloesenpark, o parque das cerejeiras.

A entrada para o Kersenbloesenpark, o parque das cerejeiras.

 Não é impressionante tantas cerejeiras juntas?

Não é impressionante tantas cerejeiras juntas?

Então, numa sexta de manhã, nós fomos visitar o Amsterdamse Bos, o bosque gigantesco que vai de Amsterdam até Amstelveen e também onde foram plantadas as cerejeiras. Colocando o nome do parque no google maps dá para ver direitinho a localização mas ficamos meio perdidos. Achamos o estacionamento gratuito e fomos seguindo as pessoas que também estavam lá para ver o espetáculo e tirar fotos! O parque das cerejeiras em si não tem endereço, mas a rua onde fica o estacionamento mais próximo se chama Laan Nieuwer-Amstel e foi o que usamos para nos levar até lá. 

 Só segurando assim para fotografar esse menino!

Só segurando assim para fotografar esse menino!

 Olivia tentando levar uma lembrança do parque!

Olivia tentando levar uma lembrança do parque!

OMD brincandonoparque.jpg
OMD brincandonoparque.jpg

O parque é lindo, pegamos as árvores bem floridas, num dia nublado, mas só de não estar chovendo já era uma vantagem enorme! As árvores em flor duram mais ou menos 2 semanas entre o final de março e o começo de abril, mas sempre varia de ano para ano. Nós fomos exatamente dia 13 de abril, mas já li sobre pessoas que visitaram antes ou depois, então infelizmente não é um passeio que se possa planejar. Mas se você mora na Europa ou estiver por aqui nessa época, vale muito a pena! Ficamos encantados com o parque!

Última parada da road trip: Londres

ViagensOlivia me disseComment

Para contextualizar: em dezembro do ano passado, 2017, nós fizemos uma road trip saindo de Amsterdam, passando pela Alemanha, Áustria, França e Inglaterra. Eu escrevi sobre como planejamos as viagens e sobre cada cidade que passamos. Para ler os posts anteriores é só clicar no link que destaquei na frase acima!

De Calais na França para Folkestone na Inglaterra

Saímos da Disney em Paris e fomos direto para Londres. Achamos que seria melhor viajar durante a noite já que as crianças estavam se sentindo mal durante os trajetos e assim elas podiam dormir. Chegamos no porto de Calais na França e pegamos um trem no Eurotunnel para cruzar o Canal da Mancha até Folkestone na Inglaterra. É o jeito mais rápido e prático de atravessar. Entra-se no vagões do trem com o carro e não é preciso sair de dentro dele. A viagem dura mais ou menos 30 minutos e no site dá para conferir os horários e preços.

Programas não turísticos em Londres

Fomos para Londres para passar o natal com minha irmã que mora lá. E porque já moramos lá também não somos mais turistas na cidade e acabamos fazendo programas mais locais e revisitamos lugares preferidos. Chegamos na sexta feira à noite e no sábado de manhã fomos em uma das feirinhas que tem lá perto. Várias barraquinhas com comidas feitas pelos próprios donos. Os meninos comeram um hambúrguer, nós um enrolado de salsicha e tinha até pão de queijo inglês! Eu amo feirinha assim!  

Londres para mim significa oportunidade de brunch maravilhoso todo dia! E experimentamos um lugar novo que foi ótimo: o Bobs Café em Queens Park. O lugar é lindo, cheio de macramê e plantinhas penduradas nas paredes. Eu comi o Madame Bobs e o English Breakfast também foi aprovado na nossa mesa gigante de 4 adultos e 4 crianças! As crianças comeram fatias de pão com ovo quente, também aprovado. O lugar é super kids friendly, tem cadeira, papel e lápis e menu para eles. No site dá pra ver fotos do lugar e tem o menu também.

Outro lugar para brunch onde a comida é boa e as crianças ficam bem à vontade é o All Bar One. É mais conhecido por ser um bar, eu na verdade não sabia que eles serviam brunch, e foi um dos motivos de ser surpreendente. Lá eu sempre como eggs benedict, meus preferidos, e os meninos comem pancakes, O café é delicioso e as louças são lindas, num tom de azul claro, dá vontade de levar pra casa! A gente sempre vai na unidade que fica do ladinho da Selfridges. Outro ponto positivo: está sempre vazio. Vazio mesmo, só tem a gente! 

 Nossos pratos no All Bar One. Eu queria viver de brunch!

Nossos pratos no All Bar One. Eu queria viver de brunch!

Além da comilança, uma coisa que a gente faz quando estamos lá é ir até a biblioteca local. As bibliotecas geralmente ficam em prédios lindos e sempre tem um lugar especial para crianças com livros divididos por idades. Dessa vez visitamos a Kilburn Library e no site dá pra consultar uma perto de onde você estiver. Se você digitar o nome da biblioteca no google maps dá pra ver fotos do lugar!

Não tiramos nenhuma foto em Londres. NENHUMA foto com nenhuma das máquinas. As duas fotos que postei aqui fiz do meu celular e a qualidade não ficou boa, mas eu precisava colocar aqui para ilustrar esse post. Mas isso foi um bom sinal, sinal de que aproveitamos muito cada minuto em família! 

 A Olivia e o João no nosso natal.

A Olivia e o João no nosso natal.

Os posts sobre nossa road trip acabam aqui. Foram muitos dias na estrada, quase 15, e não posso negar que ao mesmo tempo que aproveitamos muito, foi super cansativo. Juramos que não íamos mais fazer isso, mas hoje, março de 2018, já estamos com várias viagens planejadas! Nos vemos no próximo post!

Disneyland Paris no natal

ViagensOlivia me disseComment
 a entrada e também onde se paga o estacionamento: 20 euros.

a entrada e também onde se paga o estacionamento: 20 euros.

A Disneyland Paris ou Eurodisney fica em Marne-la-Vallée, 30, 40 minutos de carro de Paris. Mas nós não saímos de Paris, nós fomos de Fieberbrunn, e estávamos na metade da nossa road trip de natal. O primeiro post dessa série sobre a viagem é esse aqui onde escrevo sobre o planejamento. Tem também post sobre Heidelberg na Alemanha e Fieberbrunn na Áustria

Da Áustria para a França

Nós levamos quase 10 horas de carro nesse trajeto Fieberbrunn até a Disneyland Paris. A viagem foi tranquila: evitei alguns alimentos para os meninos não passarem mal, levei frutas e água e saímos depois do café da manhã, quase na hora da soneca deles. Também dei para a Olivia e pro Lio um remédio para evitar vômitos, depois dela ter passado muito mal no começo da viagem. Mas depois de tanto tempo dentro do carro, ninguém mais aguentava. Paramos várias vezes e vou ser sincera: as paradas de estrada na França são bem diferentes das que vimos na Alemanha e Áustria. Sujas por dentro e por fora, com comida de péssima qualidade, banheiro fedido. Talvez não demos sorte, mas foi o que vimos.  

O planejado era ir para Strasbourg e além de fazer uma parada nesse trajeto tão longo, também conhecer a cidade e o mercado de natal. Mas porque todos passaram mal (contei no último post) resolvemos cancelar o hotel e seguir direto para a Eurodisney ficando mais uma noite lá. Chegamos tarde, bem tarde, já fizemos o check in e fomos pro quarto dormir. 

Disney com bebês? No natal?

 na Main Street USA.

na Main Street USA.

Quando estávamos planejando a road trip, tentamos combinar lugares pra parar com lugares que fossem novos para gente, para conhecermos. A idéia da Disney foi porque precisávamos de uma pausa entre Strasbourg e Londres. A idéia óbvia era Paris mas já fomos tantas vezes e fica sempre cheia nessa época do ano. Max então pensou: porque não a Disney, que fica na mesma localização e as crianças ainda podem se divertir? Na hora eu concordei, achei que seria o máximo! E todo mundo me perguntou: eles não são muito novos, vão aproveitar? Não vai estar muito frio? 

Sim, eles são muito novos e sim estava frio. A Olivia tem 3 anos e já conhece vários personagens da Disney, adora o Mickey e a Minnie, O Lio tem 1 ano e não sabe de nada! hahaha Mas a intenção de sempre viajar com eles é criar o hábito e o gosto por viagens. Eles são muito novos e ainda não entendem nada direito, mas eu acredito que essas experiências fortalecem os vínculos da nossa família, dos dois como irmãos e vai imprimindo na vida deles muitas memórias. É essa a grande razão de nunca termos deixado de viajar mesmo depois dos filhos!  

Cada um aproveitou da sua maneira: a Olivia ficou muito surpresa pensando que estava na casa do Mickey, o Lio ficou espantado com tantas novidades coloridas, o Max comeu o maior e melhor hambúrguer da vida e eu gostei de todas as opções acima!

Pesquisando sobre a Disneyland Paris

Estava decidido e reservado: iríamos pra Disney! Eu fiquei muitíssimo ansiosa. Quis pesquisar sobre tudo: preços, atrações imperdíveis, o que fazer com bebês, qual o melhor horário para ir, era natal , o que será que tinha de especial? Mas não consegui muita informação, salvo pelos blogs Dri Everywhere e o Viajando com Pimpolhos. O site da Disneyland Paris também é bom para questões de preços e eventos porque isso muda de acordo com temporadas e lá é atualizado.

Então resolvi parar de sofrer antes da hora e deixar tudo para quando estivesse lá. A gente ia passar só um dia no parque mesmo, e como crianças são imprevisíveis, melhor não planejar muito para não ficar frustrada depois. 

Eu já sabia que a Disney aqui da Europa tem 2 parques: Disneyland Park, que seria o Magic Kingdom em Orlando e Walt Disney Studios Park, equivalente ao Hollywood Studios. Olhei no site o preço: bem salgadinho. Para 2 adultos e 1 criança, ( que seria o nosso caso porque até 3 anos de idade não paga para entrar então o Lio entrou de graça) 1 dia, 1 parque, sairia por 168 euros. Isso quer dizer que nós 4 poderíamos desfrutar de 1 parque só, só por 1 dia. O que também era nossa opção. Os preços variam, é bom consultar o site. Eles também oferecem pacotes e condições especiais para compra antecipada etc.

A experiência na Disneyland Paris

Ficamos num hotel dentro do complexo da Disney, o Vienna House Dream Castle. Não é um hotel da Disney, mas sim parceiro, como eles mesmo descrevem. Levamos não mais que 10 minutos de carro até o estacionamento do Disney Park e eles oferecem shuttle bus sem nenhum custo. O hotel é bem grande com uma rotatividade de hóspedes enorme dando uma cara de usado aos quartos, sabe? Mas eu não poderia ter gostado mais: shampoo, condicionador e creme para o corpo da L'occitane em tamanhos reais! hahaha E mais: se você opta por não ter o serviço de arrumação do quarto, eles tem uma sacolinha de pano para pendurar na porta e lá dentro eles colocam um produto também L'occitane em miniatura, por dia. Achei super legal, adoro uma surpresa! O café da manhã está incluso e é bem cheio, às vezes com fila.

Chegamos lá bem tarde da noite pois passamos o dia viajando. Fizemos o check in e fomos dormir. Acordamos sem pressa, tomamos café e arrumamos as mochilas para a aventura. Levei algumas coisinhas para comer: pão, banana e sachê de frutas. Li em alguns blogs que os lugares para comer ficam lotados e tudo é muito caro. Na recepção do hotel comprei os bilhetes para 1 dia em 1 parque e como eu disse acima, até 3 anos de idade não paga e para nós 3 (eu , Max e Olivia) pagamos 168 euros. Escolhemos visitar o Disneyland Park porque tinha mais atrações para os pequenos (na parte chamada Fantasyland) e também por causa do desfile de natal. Não estava muito frio, mas choveu um pouco, quando chegamos lá, ao meio dia. Tirando isso, foi perfeito: bem na hora do primeiro, dos 2 desfiles do dia. Também por causa do horário não tinha fila para entrar. 

 o carro da minnie no primeiro desfile do dia.

o carro da minnie no primeiro desfile do dia.

 outro ângulo do primeiro desfile do dia.

outro ângulo do primeiro desfile do dia.

Que recepção perfeita: o Mickey e a Minnie vieram nos receber! A Olivia dizia que estávamos na casa do Mickey, e isso foi a prova! Entramos, ouvimos o anúncio do desfile e já garantimos nosso lugar na frente. Antes de ir pra Disney, eu pensei: quem vai ser doido de ir pra lá no natal? Nós e mais um monte, muita gente! Estava lotado! Imagina aquele lugar no verão, logo pensei. Antes de andar e explorar, assistimos ao desfile e a Olivia me abraçou e falou: thank you mamãe! É claro que eu chorei, sou uma manteiga derretida e aqui está a resposta pra quem pergunta se vale a pena levar crianças tão pequenas à Disneyland! 

 o castelo da bela adormecida no fim da Main Street USA.

o castelo da bela adormecida no fim da Main Street USA.

Depois do desfile, andamos pela avenida principal, a Main Street USA e no fim está o castelo da Bela Adormecida. Você atravessa o castelo, pode entrar para conhecer e logo atrás está o Fantasyland. De um lado e do outro da avenida é cheio de lojas de souvenir, restaurantes, lanchonetes. Eu tive a impressão de que todas as lojas são iguais e vendem as mesmas coisas, mas é claro, entrei em uma por uma! 

 eu e oli!

eu e oli!

Estava bem cheio, e por isso as filas para os brinquedos chegavam a uma espera de 30, 40 minutos. Criança pequena consegue ficar esse tempão na fila esperando? Não! Então procuramos as opções com espera menor, e eu e Olivia demos uma volta de barco (até longa, valeu a espera!) que vai passando por vários temas de filmes e fomos também numa mini montanha russa com vagões de trem. Esse foi super emocionante, Olivia quis repetir! Pelo parque alguns personagens ficam disponíveis para tirar foto e distribuir abraços. Também tem fila! Vimos a Minnie e a Margarida, mas estávamos na fila pra montanha russa: ou era um, ou era outro, e ficamos na fila pro trenzinho!

Depois de dar uma volta ali por trás do castelo, também vimos um show com os personagens cantando e dançando num palco. Voltamos pela Main Street e entramos em uma loja. Olivia quis pipoca que vinha num baldinho decorado com o Mickey. 10 euros. Aproveitei para comprar uma garrafinha de água: 5 euros cada. Realmente o preço das coisas é alto. Já eram quase 2 horas da tarde e resolvemos parar para almoçar. Todos os lugares de comida rápida estavam cheios e não tinha mesa pra gente. A maioria dos restaurantes precisa de reserva e não tínhamos feito. Passamos na frente do Walt’s, um restaurante com comida americana. Entramos e conseguimos uma mesa. Eles tem kids menu e nós comemos o hambúrguer mais caro e mais gostoso da minha vida: 50 euros por essa belezura aí da foto. Saímos de lá e fomos passear mais.

 a foto não faz jus a delícia dessa hambúrguer!

a foto não faz jus a delícia dessa hambúrguer!

 a entrada do restaurante Walts.

a entrada do restaurante Walts.

A última parada do dia aconteceu às 17 horas. Meia hora antes já tinha gente parada pela Main Street USA guardando o lugar. Nós saímos do restaurante por volta das 16 horas, então ficamos por ali mesmo para esperar. Foi um desfile lindo, cada carro alegórico era temático por filme! Quando acabou andamos outra vez até o fim da avenida para ver o castelo da Bela Adormecida iluminado. Nessa hora, tocou uma música de natal e caiu uma neve de espuma!

Foi uma experiência bem legal, aproveitamos muito e surpreendentemente, porque era natal adicionou um clima bem legal. Eu nunca pensei que íamos gostar tanto. Também talvez porque não criei altas expectativas. Um outro sinal de que foi proveitoso: nenhum dos 2, que cochilam a tarde, dormiu. Ninguém ia perder nada daquele lugar!

 o castelo iluminado!

o castelo iluminado!

 vista da avenida principal com o castelo ao fundo.

vista da avenida principal com o castelo ao fundo.

A estrutura da Eurodisney e quantos dias ficar?

A estrutura para receber crianças e bebês é boa. Você pode alugar carrinhos, tem um lugar só para alimentar e trocar as crianças e todos os banheiros tem trocador. Existe o Fast Pass, para não ter que ficar em pé parado na fila esperando, onde você retira um outro ticket que te dá um horário para voltar para a fila e um sistema de rodízio, o Baby Switch, para pais com filhos não perderem a vez nos brinquedos. (no site explicam melhor)

E quantos dias é necessário para conhecer a Disneyland Paris? Eu diria pelo menos 2 se você quer conhecer os dois parques: Disneyland Park e o Walt Disney Studios. Principalmente com criança pequena, o ritmo é desacelerado e eles precisam de mais tempo. Comparada com a Disney em Orlando, a de Paris é menor, claro, mas mesmo assim ainda é grande. Não era nossa intenção conhecer tudo, ficamos 2 noites e 1 dia inteiro. Para conhecer tudo eu faria uma previsão de 3 dias e 4 noites. Como chegamos no parque ao meio dia e saímos por volta das 18 horas, se você pretende fazer um bate e volta de Paris, eu acho que dá sim tempo de conhecer um pouco do parque.

Espero ter dado uma visão do que foi ter ido à Disneyland Paris com crianças. Se tiverem alguma pergunta ou dúvida sobre o assunto é só escrever nos comentários que respondo. Até o próximo post!

Ski com crianças em Fieberbrunn

ViagensOlivia me disseComment
 Na estrada para Fieberbrunn

Na estrada para Fieberbrunn

Esse post faz parte da série sobre nossa road trip do natal de 2017. Já escrevi sobre como planejei a viagem aqui e sobre a primeira parada aqui. Se você ainda não leu, vai lá pra ler e entender toda a história! Esse post é longo, por isso dividi em subtítulos, e se você quiser pode escolher o que ler.

Sobre o contratempo na viagem

Saímos cedo de Heidelberg e seguimos para Fieberbrunn, na Áustria, bem pertinho da fronteira com a Alemanha. A viagem inteira foi planejada partindo somente da idéia de passar alguns dias esquiando, então esse foi o destino com a estadia mais longa, 5 dias. O Max faz snowboard e eu não esquio. O Lio ainda é muito novo para aprender, e já estávamos com a idéia de colocar a Olivia na escolinha para ela dar seus primeiros passos na neve. Sendo assim, eu ficaria com o Lio no hotel, Max e Olivia iam esquiar.

Mas Olivia ainda não tinha se recuperado totalmente da viagem, ela se sentiu mal durante todo o trajeto e eu estava dando um remédio para evitar vômitos. Decidimos esperar um pouco no hotel em Fieberbrunn antes dela fazer qualquer atividade. O dia passou e ela não melhorou. Com medo de que ela pudesse ficar desidratada, achamos melhor levá-la em um médico. Quem acha os alemães eficazes precisa conhecer os austríacos. Em uma clínica há 20 minutos do hotel, em Sankt Johann in Tirol, fomos prontamente atendidos. Uma médica examinou e colheu uma amostra de sangue para exame. Em menos de 15 minutos já sabíamos: uma infecção pequena, nada preocupante, mas ela deveria ficar de repouso e comer coisas bem leves. Porque ainda não tínhamos recebido nossos cartões de seguro de saúde da Holanda, (hello holandeses, vocês precisam aprender uma ou outra coisa com seus vizinhos ao sul) essa consulta foi particular e custou em torno de 120 euros, não me lembro exatamente o valor. Não se paga na hora, eles enviaram um invoice para nosso endereço em Amsterdam.

Conversando com a médica suspeitamos de uma virose. Um dia depois, foi confirmado: eu e Lio também estávamos passando mal. E por causa disso, a viagem de inverno, para esquiar, foi por água abaixo. Ficamos de molho no hotel durante todos os dias. Todos. No dia em que Oli melhorou, Lio passou mal.  De tudo que tínhamos planejado, nada foi feito. Foi por causa disso que também cancelamos a próxima cidade a ser visitada, que seria Strasbourg, e decidimos seguir direto para a Disney. Mas aproveitamos o hotel e é sobre isso que vou falar adiante!

 A vista do corredor no hotel

A vista do corredor no hotel

O hotel em Fieberbrunn

Essa foi a segunda vez que nos hospedamos no Austria Trend Alpine Resort. Foi tão bom que resolvemos repetir. Primeiro, o hotel fica praticamente dentro da estação de ski, e da janela dá pra ver as gôndolas subindo e descendo. Do lado do hotel também tem uma escolinha para crianças com aulas todos os dias durante a temporada. Segundo, é super kids friendly. Dentro do hotel tem um playgroup, espécie de uma creche, com atividades programadas durante o dia todo guiadas por uma profissional. Fica aberto e você pode entrar e sair quando quiser. À noite as crianças podem ficar lá brincando enquanto você está no bar ou restaurante. Eu levei Oli e Lio de manhã e à tarde, eles adoraram. O hotel também tem piscina aquecida, ótima atividade para a tarde, depois de passar o dia na neve, que não foi nosso caso, infelizmente! 

Escolhemos half board, com café da manhã e jantar. Isso facilitou muito a nossa vida porque assim não tínhamos que sair pra jantar ou ficar preocupados com o que comer à noite. Pagando uma taxa de entrega de 5 euros, levam o café da manhã no quarto, o que também me ajudou muito. Tomar café no quarto, tranquilamente, com 2 crianças, faz mais sentido! O hotel também tem estacionamento próprio e um lugar individual no subsolo para guardar seus skis. Bem pertinho do hotel, há 5 minutos de carro, tem supermercados e outras facilidades. 

 Breakfast with a wow view

Breakfast with a wow view

 Eu e Oli na varanda do nosso quarto

Eu e Oli na varanda do nosso quarto

É uma ótima opção de hotel, sempre fomos muito bem tratados, a infra estrutura é ótima e super acessível às pistas de ski e aprovado no quesito kids friendly! Saindo da Alemanha, a viagem é bem curta e da Holanda é um dos lugares mais perto também. Pagamos por tudo, é claro, nada disso é propaganda, só recomendo porque realmente gostei e voltaremos. 

Roupas de ski e o que comer

 Olivia equipada para brincar na neve e o hotel no fundo

Olivia equipada para brincar na neve e o hotel no fundo

 Felicidade é brincar na neve!

Felicidade é brincar na neve!

Bem perto das entradas das estações existem lojas para alugar equipamento e roupa de ski. Fora as roupas de baixo que devem ser preferencialmente térmicas, gorro, luvas e meias, dá pra alugar tudo. Eu comprei um macacão próprio para neve para cada um dos meninos e botas impermeáveis. Os acessórios também levei: comprei pra Oli e o Lio usaria os da Olivia do ano que passou: conjuntos de calça e blusa térmicos, cardigans de fleece, gorro, luva e cachecol e meias de lã. As luvas também precisam ser impermeáveis porque senão molha na neve. 

Se você for esquiar na Áustria ou mesmo passar um tempo no inverno por lá, não deixe de experimentar o goulash, um cozido de carnes e especiarias, que em alguns lugares também tem um macarrãozinho no meio. Perfeito no inverno! E pra quem gosta de um souvenir gastronômico, rsrs, nos supermercados tem o chocolate do Mozart, o doce mais famoso da Áustria. Em alemão o nome é Mozartkugel por causa do formato em bolinhas. É uma delícia!

 Auf wiedersiehen Fieberbrunn!

Auf wiedersiehen Fieberbrunn!

Apesar da viagem não ter saído como planejado, aproveitamos o hotel, Olivia ainda saiu para brincar na neve uma tarde e a paisagem era de tirar o fôlego! Ficamos lá do dia 17 ao 21 de dezembro e o clima foi perfeito: neve com sol. Nevou muito todos os dias, e a estrada branquinha fica muito bonita. 

Fiz um vídeo chegando no hotel e dá para tudo que eu falei nesse post: a estrada cheia de neve, a estação de ski, as lojas de produtos para esportes de inverno e a entrada do hotel. Não estranhem, o vídeo está mesmo sem som!

De Fieberbrunn seguimos para a Disney. Mas isso é história para outro post! Até lá!